[Resenhas] Onde os Fracos Não Têm Vez

Onde os Fracos Não Têm Vez, cartazDifícil entender Onde os Fracos Não Têm Vez sem assisti-lo. E, para muitos, difícil entender o filme mesmo assistindo-o. É fato que muitos o detestaram – na seção em que fui ontem, muita gente saiu antes do final, e entre os (felizmente muitos) que resistiram, houve quem saísse sem entender, ou extremamente decepcionados.

Há vários motivos, e certamente um dos principais é a avalanche de críticas extremamente positivas, que criam aquela expectativa traidora sobre a qual já citei várias vezes aqui. Há a enxurrada de prêmios que o filme já conquistou (só de “Melhor Filme”, já foram 18, incluindo o Producers Guild of America (Feature Film) e o Screen Actors Guild, como Melhor Elenco), e que também traz aquela onda “esse filme eu tenho que ver”.

Mas, se as pessoas se decepcionam, então é um filme ruim ? Não, não mesmo, é um excelente filme. E extremamente impactante, talvez por (ou apesar do) outro motivo que faz as pessoas estranharem a produção: o ritmo quase modorrento. Passo a passo, o filme vai apresentando uma atmosfera nada urbana, nada frenética, nada… americana. Como assim ? É Texas, não é Nova York. E é isso, essa dualidade entre ser um filme hollywoodiano (pois, sim, ele o é) e ao mesmo tempo parecer um filme independente, e ainda ao mesmo tempo parecer um filme dos anos 50, que causa estranheza. Literalmente, é um filme árido. 🙂

O que talvez mais tenha me cativado no filme é o que vou denominar de “aura de mistério e suspense seco”, nada característica dos tais filmes “frenéticos” supracitados. Mesmo sem ter noção de em qual dose cavalar ele vai ser atingido, o espectador sabe bem o que esperar das próximas sequências, mas ainda assim se assusta e se surpreende – e não há a excelência característica das grandes trilhas sonoras às quais estamos acostumados. Sim, é um suspense seco e direto, exatamente uma porrada de ar comprimido com o qual o personagem Anton Chigurh alcança tudo o que deseja.

O roteiro é simples, direto, objetivo em cima de um bom texto, e a direção de Joel e Ethan Coen se aproveita disso tudo – e também da paisagem exuberante e dos excelentes atores – e faz um filme de primeira linha. Curiosamente, lembra algumas vezes o “Fargo” de quase 12 anos atrás, só que uns 40 graus mais quente…

Tommy Lee Jones está comedido e admirável, e em seu rosto cansado estão descritas todas as mazelas da pequena cidade na qual é policial. Josh Brolin é o ator certo no papel certo: nada de glamour num cara que não sabe muito bem o que fazer com o que encontrou e, mesmo que soubesse, não tem nem muito tempo para pensar a respeito. O sempre correto mas cada vez mais careteiro Woody Harrelson faz uma ponta de luxo, e todo o elenco é muito bom.

Mas o filme é de Javier Bardem. Ele está, mais uma vez, soberbo com seu cabelinho inclassificável, sua implacável voz grave e onipresença quase fantasmagórica. Curiosamente, vem concorrendo a quase todos os prêmios como ator coadjuvante – sorte dele, pois não tem competido com o Daniel Day Lewis de “Sangue Negro” e, assim, tem levado quase todos: já foram mais de 10, entre eles o Screen Actors Guild, o Globo de Ouro e o BAFTA. Franco favorito ao Oscar.

Está com medo de assistir ? Não tenha. Mas – como eu sempre digo – cuidado com as expectativas. Se merece o Oscar ? Aí são outros quinhentos…

Onde os Fracos Não Têm Vez, cena - Javier Bardem

~ por Tommy Beresford em fevereiro, 13 2008.

6 Respostas to “[Resenhas] Onde os Fracos Não Têm Vez”

  1. Bom dia Tommy. Passei por aquí para parabenizá-lo pela leitura que fazes do filme. “Onde os Fracos não têm vez é um filme instigante, arrebatador e de um suspense incrível”, sem falar do ótimo roteiro e das excelentes atuações. Imperdìvel.

  2. Sinceramente, esse filme não tem nada de especial, ao contrário, é pobre inclusive no roteiro. Não vejam, pois é perda de tempo.

  3. Não to entendendo as pessoas que dizem que o filme é pobre no roteiro, e mesmo a resenha que o classifica como simples. Eu achei justamente o contrário, o roteiro é rico em detalhes, em abordagem e pouco explicativo. Cabe, durante todo o filme, ao espectador, pensar e compreender os atos das personagens.

  4. Achei frustrante e negativo, esperamos.sempre.que o bem vença nos filmes.

  5. Achei o filme ótimo porem com uma conclusão embaçada , apenas o suspense sobre um sociopata sendo um sociopata

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: