[Resenhas] Cisne Negro

Jamais começaria a resenha de “Cisne Negro” com “este é o papel da vida de Natalie Portman”. Primeiro porque, para mim, esta frase soa como “o derradeiro voo do cisne” (trocadilho inevitável), como se ela nunca mais fosse interpretar algo tão bom ou tão importante. Segundo porque Natalie já provou seu enorme talento em outros papéis.

O fato é que a interpretação de Portman vale realmente cada um dos prêmios que recebeu até agora (entre eles, o Screen Actors Guild, o Globo de Ouro de Drama e o BAFTA) e deve mesmo levar o Oscar, ainda que dispute com candidatas fortes como Annette Bening, ótima em Minhas Mães e Meu Pai.

Seja como for, a excelência do trabalho de Portman vem de toda a preparação que ela precisou fazer para o papel. Ainda mais magra, com exaustivas aulas de dança (embora use dublê em parte das cenas), a atriz dá veracidade à aparentemente doçura de Nina, e consegue transmitir a tensão de toda a transformação pela qual passa. Fico pensando em qual outra boa atriz poderia ter se dedicado e ter feito um trabalho de qualidade neste específico e difícil papel que não Portman. Inclusive fisicamente: não basta apenas talento, é preciso mais que isso. Algumas inclusive teriam que tirar o silicone…

Talvez os que não tenham contato com o mundo da dança (em especial o exigente métier do Ballet Clássico) não entendam a pressão, e claro que o filme leva não somente a situação ao limite como mostra o que a bipolaridade pode fazer com alguém: é bastante competente o tratamento dado aos temas pelo diretor Darren Aronofsky (que vem do excelente “O Lutador” e do incompreendido “Fonte da Vida”).

Seja como for, o filme é de Natalie Portman e ela não despediçou a oportunidade. Mas é impossível não citar o trabalho de Mila Kunis (ganhadora do “Marcello Mastroianni Award” no Festival de Veneza e que levou uma indicação ao Globo de Ouro, perdendo para Melissa Leo de “O Vencedor”) e a minúscula participação de Winona Ryder (tem gente que só a reconheceu quando a viu nos créditos), além da reaparição de Barbara Hershey, intensa na composição da mais empenhada “ex-bailarina frustrada que é mãe de bailarina talentosa”. Como coreógrafo, o ótimo Vincent Cassel nunca esteve tão canastrão, mas não destoa muito, felizmente.

Vale a pena assistir, mas é bom realçar que não é um mero entretenimento. Há te(n)são, cenas fortes, a câmera (bem utilizada nas sequências de ensaios) muitas vezes têm closes trêmulos e cansativos, mas não deixe de assistir.

Tommy Beresford

~ por Tommy Beresford em fevereiro, 15 2011.

4 Respostas to “[Resenhas] Cisne Negro”

  1. Um filme bastante interessante, principalmente na forte atuação de Natalie Portman, barbada do Oscar 2011.

  2. Concordo, Natalie Portman atuou de forma excelente este papel. Nao consigo imaginar outra atriz para o mesmo papel.

    Premios merecidos, torço para ela ganhar o Oscar tb =)

    Abs!

  3. Muito bom. Portman está realmente excelente – e é bem “camaleônica”: me lembrou a ótima atuação em “Closer”, num personagem totalmente diferente. Adorei ver Ryder e tenho pena dela estar “menos votada”. Talvez ela fizesse o papel de Portman, em outros tempos…

  4. Cisne Negro foi meu filme preferido da temporada de 2010. Há anos que não assistia um filme tão impressionante.

    Visite também:
    http://peliculacriativa.blogspot.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: