[Resenhas] Divã

diva_cartaz“Deixar a rua me levar / ver a cidade se acender”, como canta Ana Carolina ao final de “Divã”, não é simples assim para boa parte das mulheres que, ainda subjugadas pelo persistente e resistente machismo da cultura brasileira em pleno século 21, não consegue dar seu grito de liberdade por rumos pelos quais somente elas possam decidir. “Divã” — o livro, a peça, o filme — não é uma obra panfletária, nem levanta bandeiras do feminismo ou da resposta a todos os séculos de submissão, preconceito, recalques e injustiças, mas é uma bela obra em torno do amor e do que se pode e deve esperar dele no “frigir do ovos” (sem trocadilho com os desejos sexuais dos maridos insensíveis) em meio a uma busca sempre tão difícil da quase inexplicável felicidade.

O roteiro de Marcelo Saback é fruto de sua experiência mais que bem sucedida no teatro — ficou em cartaz por mais de três anos — em roteiro por sua vez derivado do livro de Martha Medeiros, escritora querida do grande público, cronista de jornais e autora de diversos livros de sucesso. Protagonista da peça, Lília Cabral atriz brilha intensamente também na telona, agora dirigida por José Alvarenga Jr e acompanhada de um ótimo elenco.

Em interpretação contida e inteligente, Alexandra Richter também se destaca, mas Reynaldo Gianecchini e Cauã Reymond não ficam atrás: ela, destaque do humor televisivo e teatral, e eles, galãs queridos pelo público feminino por seus trabalhos na TV, não deixam seus personagens caírem no estereótipo. José Mayer também não decepciona, e vale a menção mais que honrosa para a pequena mas perfeita participação de Paulo Gustavo como o cabeleireiro René.

O diretor conduz o filme com simplicidade e precisão, e não deixa que a produção enverede pela tão convidativa linguagem televisiva. O bom e leve humor de todo o filme gera risos mas não resvala no pastelão, os diálogos são ótimos e há muitos momentos de emoção, onde as lágrimas dos espectadores remetem às suas próprias dores e aflições, quer do passado, quer do presente. Até a duração do filme é precisa: nem curto nem longo demais. Enfim, um belo filme, que merece ser visto… e depois não pense duas vezes em “deixar a rua te levar, ver a cidade se acender”.

diva_cena

~ por Tommy Beresford em maio, 12 2009.

3 Respostas to “[Resenhas] Divã”

  1. ralmente um ótimo filme. Chega de filmes com violência e crimes. O Brasil tem que aprender a fazer filmes com diferentes temáticas

  2. QUERO SABER QUEM CANTA ACAPELLA NA HORA EM QUE O THEO DÁ UM FORA NA MERCEDES. JA PESQUISEI EM TODA A NET E NADA. TA MUITO DIFICIL EU PRECISO MUITO DESSA MUSICA.

    ME AJUDE POR FAVOR

    PAULLOSAINTS@HOTMAIL.COM

  3. Gostei. De fato um filme leve, sem dramas ou grandes questões, como todas nós, mulheres, deveríamos ser… (risos). Recomendo!
    Bjs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: