[Resenhas] Feliz Natal

feliz_natal_cartazRomance“, assistido nesta que é a última semana da promoção de filmes brasileiros a R$ 4, trazia uma leveza admirável a um roteiro baseado numa tragédia, “Tristão e Isolda”. No dia seguinte, foi a vez de conferir “Feliz Natal”, onde acontece justamente o oposto: nos deparamos com um tom pesado retratando uma época do ano que em geral é festiva – mas “em geral” é uma expressão tão boa quanto dúbia já que, tal como no filme, em meio a comes e bebes (quantos se lembram da origem da data ?) muitas vezes várias das mazelas familiares acabam sendo expostas justamente por ser um momento em que a família está reunida.

Selton, em seu primeiro filme como diretor, vai fundo no poço de ressentimentos escancarados à flor da pele de seus personagens. A crítica especializada delirou (com ou sem trocadilho) com o filme, mas o que se vê à saída do cinema e nos comentários de boca-a-boca é que o público se sente incomodado, quer por achar o filme pesado e claustrofóbico demais, quer por se sentir de alguma forma retratado na tela. Fica claro que parte do público não gostou (ou não sabe se gostou) muito do que assistiu, mas se o filme lembra em alguns momentos Nelson Rodrigues, é bom também lembrar uma de suas frases de efeito, a clássica “Toda unanimidade é burra” (seja a dos ‘especialistas’, seja a do espectador comum): nem condenem, nem incensem demais. Como primeiro longa, Selton estréia na direção com o pé direito. O que virá depois, óbvio ululante, só se saberá depois.

A fotografia de Lula Carvalho se une às intenções do diretor: a avalanche de closes e imagens desfocadas incomoda pelo excesso, já que a intensidade da trama está mesmo no elenco, liderado com competência e emoção por Leonardo Medeiros. A Mércia de Darlene Glória explode (quase que literalmente) suas vísceras por cada poro de seu corpo, e acompanhar o descontentamento de Fabiana é muito mais interessante que a polemizada cena de nudez de sua protagonista, a ótima Graziela Moretto. Merecidamente, ambas foram premiadas no Festival de Paulínia 2008. Os destaques são o pequeno e cativante Fabricio Reis, o belo retorno de Paulo Guarnieri e um Lucio Mauro mais que inspirado.

Se eu gostei do filme ? Sim e não. Prefiro sim a leveza de “Romance”. Mas entendo, como espectador, que o caminho que Selton Mello quer dar a seu cinema como diretor não é o óbvio, e isso é extremamente louvável. Tomara que persevere.

feliz_natal_cena

~ por Tommy Beresford em novembro, 27 2008.

Uma resposta to “[Resenhas] Feliz Natal”

  1. Amei a Darlene… longa vida!
    gosto muito desse filme.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: