[Resenhas] A Vida dos Outros

Vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro na entrega de 2007 e de inúmeros outros prêmios, infelizmente demorei a ir ao cinema para ver A Vida dos Outros (“Das Leben der anderen”), de Florian Henckel von Donnersmarck (também autor do roteiro, em seu quinto filme para o cinema depois de trabalhos diversos na TV). Talvez pela língua (sendo em alemão, as legendas são imprescindíveis). Mas antes tarde do que nunca: o filme tem texto, direção e atuações da melhor qualidade.

O espectador percebe que a produção é modesta, mas isso não faz com que o filme deixe de ser excepcional – muito pelo contrário, parece que dá mais veracidade às situações.

A história se passa em 1984, na Alemanha Oriental antes da queda do Muro de Berlim, mas tem tudo a ver com essa era modernosa de Big Brother: um funcionário do serviço secreto tem a função de espionar a vida de casal formado por uma atriz (que o fascina) e um autor de teatro que, como todo mundo naquele país, é suspeito de ser “do lado de lá”. Com o passar do tempo, o espião (interpretação arrasadora de Ulrich Mühe, que infelizmente faleceu poucos meses após o filme ser produzido) vai se envolvendo (literalmente) naquela relação, mudando sua maneira de ver o regime e revendo seus conceitos como pessoa e cidadão.

Mais que um quadro político (e, não, o filme não é político), “A Vida dos Outros” fala das contradições do ser humano, da patrulha ideológica e vigilância onipresente e do que isso causa no dia-a-dia das pessoas e, em especial, da solidão, que independe de regimes ou partidos e não cessa – talvez até se intensifique – por sabermos tudo sobre todos. Um grande filme.

Tommy Beresford

Em tempo: caso você tenha chegado aqui procurando alguma resenha crítica do filme para um trabalho escolar, lembre-se que o nome do autor e, em especial, o estilo de quem escreve fazem a grande diferença (e não enganam o professor, ainda que você mude uma parte ou outra do texto).

A Vida dos Outros, cena com Ulrich Mühe

~ por Tommy Beresford em fevereiro, 29 2008.

5 Respostas to “[Resenhas] A Vida dos Outros”

  1. Um filme excelente. A estória nos conduz ao outro lado da intricada censura alemã, agindo para coagir cidadãos a aceitar um regime político prá lá de intimidante. Serve para refletir, principalmente no que acontece atualmente neste brasil de escutas clandestinas.

  2. Excelente filme. Concordo que o aspecto modesto mais o valoriza e nos faz pensar como era viver numa Alemanha controlada ao extremo. Creio que menos do que se encantar com a vida dos que vigiava, penso que o Capitão da Stazi se decepcionou quando percebeu que “o sistema” poderia ser o instrumento do desejo de pessoas (no caso, o Ministro), mais do que do próprio sistema.

  3. O núcleo da história é a meneira como se constitui e o desfecho da relação consituida entre os três mais importantes personagens. Parece destacar a capacidade de crítica e ação humanas em ambientes hostis a esse tipo de conduta. As luzes, as cores, as roupas das personagens, o tom de pele, a representação da comida, as formas de lazer apresentadas, o modo como o próprio espião caminha e se expressa, principalmente diante dos funcionários do serviço de espionagem passam a imagem de um país estéril e seco, sem vida ou sentimentos humanos´… contra esse ambiente são lançadas as atitudes coordenadas do poeta, do escritor e da atriz. Essas atitudes, por sua vez, difentes do comportamento de quem não se sente completamente insatisfeito com o regime, são apresentadas como humanas por excelência, envolvendo sexo, soliderariedade, choro, capacidade de se por no lugar do outro, medo etc… assim o que temos é a mensagem de que as pessoas sempre têm a capacidade de tomar certas atitudes num ambiente ou momento hisstórico em que a doutrinação, a propaganda política, a repressão policial, o terror, a tortura e etc procuram diminuir ao máximo qualquer tipo de resistência

  4. Um homem bom, também poderia se chamar este filme. ou como a literatura pode subverter as pessoas.

  5. o filme expressa a presença do estado na qual opressoes sobre os individos da aquela sociedade, no entanto os revolucionario no meio na qual o estado coloca so vigilancia 24 horas pra nao sair na empressa. mas isso mostra uma boa visao que nao devemos ser subisso as opressoes impostas para nos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: