[Resenhas] Rio

Carlos Saldanha acertou na mosca, ou melhor, nos pássaros. “Rio” é um filme tão simples quanto exuberante, sem deixar de ser fiel. Simples porque parte de uma ideia única, sem tramas paralelas, o que não confunde as crianças menores, deixando claras desde as primeiras cenas as intenções do filme. Exuberante porque tanto as cenas de recriação da Cidade Maravilhosa quanto a animação dos pássaros são de tirar o fôlego. E fiel porque, a menos de um detalhe ou outro (que, sinceramente, em nenhum momento comprometem), o nível de cuidado com os detalhes da reprodução de ruas e ambientes da cidade é impressionante, tudo bela e caprichadamente retratado.

Até o desfile das escolas de samba é tão legal que deveria até dar ideias para os carnavalescos de carne e osso ! Há clichês, claro, mas que não tornam o filme um samba-do-crioulo-doido (com ou sem trocadilho com o samba presente o tempo todo no filme), como já vimos em aberrações como Mister Magoo (quem se lembra ?), só para citar um exemplo, daqueles que alguém pega um ônibus [!] na Amazônia e aparece minutos depois em Foz do Iguaçu…

Além de tudo, é um filme divertido: dá para rir em vários momentos. O diretor Carlos Saldanha se dá ao direito de um tom muitas vezes lírico, como já havia acontecido em seu A Era do Gelo 3, e isso é mais um ingrediente interessante ao filme que não perde sua função principal: divertir.

O cinema onde fui ver o filme, numa sessão de 19h30, estava cheio, em especial de crianças, que sem dúvida se divertiram a valer. Assisti ao filme dublado, e pela primeira vez saí com a sensação de que a versão legendada (e não o contrário) é que pode perder um pouco por conta do sem número de referências cariocas na linguagem, sotaque, entonação e gírias utilizadas. Mas mesmo que isso aconteça, nada atrapalhará a compreensão e o encantamento também dos estrangeiros que assistirem ao filme pelo mundo.

A propósito, pode ser que algum crítico alegue que “Rio” não ajuda a mudar a imagem do país no exterior, mas esta, definitivamente, não é a função do filme: ações efetivas, fora do contexto cinematográfico, ou seja, na vida real, é que deveriam fazê-lo. Não cobremos de um filme uma função e uma realidade que as autoridades é que deveriam construir no cotidiano. Mas isto é outra história: não exijam, portanto, de Carlos Saldanha uma obra como “Cidade de Deus”, pelamordedeus…

Ótima trilha, ótimos personagens numa história, repito, simples mas bastante eficiente. Encante-se, divirta-se, aproveite.

Em tempo: caso você tenha chegado aqui procurando alguma resenha crítica do filme para um trabalho escolar, lembre-se que o nome do autor e, em especial, o estilo de quem escreve fazem a grande diferença (e não enganam o professor, ainda que você mude uma parte ou outra do texto).

Tommy Beresford

~ por Tommy Beresford em abril, 14 2011.

4 Respostas to “[Resenhas] Rio”

  1. o filme e muido bom e choudebola vai 1,2,3,4,5 até 10.

  2. eu ainda não asisti o filme mais parece legal

  3. O diretor(Carlos saudanha) acertou na mosca na criação do filme rio.Além de ser uma ótima animação é uma boa comédia.As cenas de criação da cidade maravilhosa e a dos pássaros são de tirar o fôlego, sem contar as cores vivas e o brilho que fazem os telespectadores assistirem o filme com muito mais alegria .

    Eu recomendo.

  4. pior q é verdade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: