Plágios: Na música, na literatura e no cinema

A atual polêmica sobre o suposti plágio em cima da música “Mulheres”, imortalizada por Martinho da Vila, gerou um fio bastante interessante de João Cezar de Castro Rocha (@joaocezar1965) no Twitter:

1. O plágio óbvio da música tornada célebre na voz de Martinho da Vila (a obra é de Toninho Geraes) é mais um capítulo de uma longa história, revelando as hierarquias do mundo cultural: como se criações de países “não centrais” não tivessem assinatura!

Adele é processada por plágio de ‘Mulheres’, sucesso na voz de Martinho da Vila

2. Recordemos o caso do plágio que Yann Martel fez do romance de Moacyr Scliar, “Max e os felinos”. Martel chamou seu romance “As aventuras de Pi”, levado ao cinema com grande êxito. Scliar desistiu do processo porque Martel reconheceu a “influência”.

Livro que deu origem a ‘Aventuras de Pi’ foi acusado de plagiar brasileiro

3. Mas deveria ter processado: o problema é antigo! Veja o caso do romance de Carolina Nabuco, “A sucessora”(1934) cuja trama reaparece quase toda em “Rebecca” (1938), da escritora britânica Daphne du Maurier. Em 1940, o escândalo tornou-se internacional.

Foi plágio ou não foi plágio, mr. Hitchcock?

4. Nesse ano Alfred Hitchcock levou o romance às telas, com enorme sucesso, ganhando o Oscar em 1941. O New York Times publicou uma longa matéria assinalando as “incríveis coincidências” entre os dois romances. O estúdio ofereceu dinheiro à brasileira para que ela afirmasse que se tratava “somente” de “uma grande coincidência”. Carolina Nabuco recusou a oferta. E decidiu não processar Daphne du Maurier. Talvez devesse: nem tanto por ela quanto pela valorização da literatura brasileira.

‘Rebecca’: filme vem de obra acusada de plagiar o brasileiro ‘A sucessora’

6. Poderia dar muitos exemplos! Esses plágios mostram que, no plano da cultura, as hierarquias se mantêm e a assinatura de artistas de países “não centrais” não é vista como tendo valor! Absurdo, mas é assim que ocorre. Por isso, processar plagiadores é um gesto político de peso.

(João Cezar de Castro Rocha – postagem original: clique aqui)

~ por Tommy Beresford em setembro, 11 2021.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: