Dica de livro: O Clube do Filme

A capa do livro em português

A capa do livro em português

O site Catraca Livre fala sobre um livro que foi motivo de crônica da jornalista Martha Medeiros no domingo [07.06.2009], “O Clube do Filme”, de David Gilmour (não confundir com o músico de mesmo nome):

Se seu filho de 15 anos fosse um aluno problema, você o tiraria da escola? O crítico de cinema e escritor premiado, David Gilmour, tirou. O garoto poderia sair da escola – e ficar sem trabalhar e sem pagar aluguel – desde que assistisse semanalmente a três filmes escolhidos por ele, o pai.

A aposta diferente resultou no Clube do Filme. Semana a semana, pai e filho viam e discutiam o melhor (e, ocasionalmente, o pior) do cinema: de A Doce Vida (o clássico de Federico Fellini) a Instinto Selvagem (o thriller sensual estrelado por Sharon Stone); de Os Reis do Iê, Iê, Iê (hit cinematográfico da Beatlemania) a O Iluminado (interpretação primorosa da Jack Nicholson, dirigido por Stanley Kubrick); de O Poderoso Chefão (um dos integrantes das listas de “melhores filmes de todos os tempos”) a Amores Expressos (cult romântico e contemporâneo do coreano Wong KarWay).

Leia mais clicando aqui.

…..

Do blog de Martha Medeiros (o texto saiu, com outro formato e mais completo, na revista O Globo de 07.06.2009, mas não consegui encontrar na rede) – veja o post clicando aqui.

O Clube do Filme
(Martha Medeiros)

Sem energia elétrica e sem internet durante horas a fio. Foi assim que fiquei hoje desde cedo. Quase surtei, porque tinha dois textos para enviar ao jornal Zero Hora e ainda precisava revisá-los, e o prazo de entrega se esgotando. Mas mágica eu não podia fazer, só me restava esperar pela benevolência suprema. Enquanto a energia elétrica não voltava, resolvi pegar um livro – e não consegui soltá- lo mais até chegar na última página.

Estou falando de O Clube do Filme, do canadense David Gilmour. Pra quem gosta de cinema, é um deleite. Pra quem gosta de cinema e vida pulsante, é um deleite duplo.

É uma história real do autor. Ele tem um filho chamado Jesse. Pois Jesse, aos 16 anos, não queria nada com a escola. Era um garoto inteligente, mas totalmente desinteressado pelos estudos. Tirava notas péssimas e estava a ponto de levar bomba.

Estava na cara que nunca iria se motivar, então o pai tomou uma atitude radical. Propôs ao guri: quer largar o colégio, largue. E não precisa trabalhar. Mas em troca, você vai assistir três filmes por semana comigo. Filmes que eu indicar, e tem que assistir até o final. Ou isso, ou nada feito. O guri topou na hora.

O próprio pai questionou muitas vezes essa sua atitude. Não estaria pavimentando o fracasso do seu filho? Não estaria sendo irresponsável? Ou simplesmente preguiçoso? Cheio de dúvidas, resolveu ir adiante. E aí, meus caros, a gente começa a entender como há outras formas de se resgatar uma pessoa que está à toa na vida.

É bárbaro ver pai e filho comentando filmes que a gente já viu, ou que já ouviu falar: dá vontade de correr pra locadora mais próxima. Mas o bacana é ver a importância do tempo compartilhado entre os dois. Cada filme abre o leque para se discutir sobre diversos assuntos: namoradas, drogas, música, dor-de-cotovelo, trabalho, amizades, tudo! As inseguranças do garoto em relação às mulheres é tratado com muita delicadeza e realismo. Geralmente nos deparamos com personagens exalando virilidade e autoconfiança, quando sabemos que adolescentes entre os 16 e 18 anos não sabem direito como lidar com a rejeição e com essas novas garotas donas do mundo.

O livro é sobre a dificuldade e a emoção de crescer, de virar um adulto. Agora imagine aprender um pouco da vida com seu pai através dos comentários dele sobre Clint Eastwood, Jack Nicholson, Sharon Stone, Woody Allen, Marlon Brando, Tarantino… Há espaço pra tudo: filmes de terror, suspense, westerns, trash, blockbusters. Uma viagem!

Recomendo entusiasmada. O livro é engraçado, é terno, é verdadeiro e não tem nada de didático, não é para cinéfilos profissionais: é para todos nós, leigos e apaixonados pela sétima arte. Está sendo lançado pela editora Intrínseca.

(Martha Medeiros)

~ por Tommy Beresford em junho, 16 2009.

7 Respostas to “Dica de livro: O Clube do Filme”

  1. Acabei de comprar o meu!!!

  2. Estou encantada com o tema e ansiosa prá comprar o livro. Tenho um filho de 17 anos que é quase um retrato de Jesse e, ainda por cima, é cinéfilo!!!

  3. Estou lendo e amando…É dia a dia de muitos pais.

  4. acabei de ganhar, vou começar a ler hj, então darei minha critica. Ah, ganhei do meu marido Douglas no dia dos pais.

  5. Nesse fim de semana terminei o livro. Muito boa a leitura, realmente, quando iniciamos é dificil larga-lo. A história se envolve num suspense quando ao futuro do rapaz, se diante da atitude do pai à primeira vista “irresponsavel” o deixaria um adulto desnorteado. E como o próprio pai descrevia, ele se surpreendia muito com o amadurecimento e o encontro que o filho dava a sua própria história. Sem contar é claro sobre as várias criticas a filmes. Como o critico acima disse, dava muita vontade de procurar os filmes mencionados.

  6. eu tenho 14 anos…
    estou adorando ler esse livro …
    adoro tipos de livro como esse…
    quando começo a ler nao consigo parar…=D
    recomendo a todos…
    um abraço!

  7. estou lendo um livro muito bom de Martha Medeiros “Feliz por nada” e neste livro ela falou sobre o clube do filme, acabei de encomendar o meu, estou louca para ler. 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: