Magia ao Luar: Novo filme de Woody Allen

•julho, 23 2014 • Deixe um comentário

“Magia ao Luar”, o novo filme de Woody Allen que estreia no Brasil em 28 de agosto de 2014, se passa na década de 1920. Colin Firth, Emma Stone, Simon McBurney, Eileen Atkins e Marcia Gay Harden estão no elenco. O figurino foi assinado por Sonia Grande, que já tinha feito outras produções de Allen, como “Meia-Noite em Paris” e “Vicky Cristina Barcelona”. Filmado no sul da França, o longa-metragem conta a história de Stanley (Firth), um falso mágico com talento para desmascarar charlatões. Fotos de Jack English, da agência AP.

O Evangelho Segundo São Mateus, filme de Pasolini: De execrado a exaltado

•julho, 23 2014 • Deixe um comentário

De acordo com o Globo Online, o jornal do Vaticano, “L’Osservatore Romano”, reabilitou nesta semana o filme “O evangelho segundo São Mateus”, do diretor italiano Pier Paolo Pasolini:

Censurado e muito criticado pela Igreja Católica há 50 anos, quando foi lançado no festival de Veneza de 1964, o filme agora é exaltado pelo Vaticano como a melhor obra já feita sobre a vida de Jesus Cristo no cinema.

O editor-chefe da publicação, Giovanni Maria Vian, disse ao jornal “La Stampa” que a homenagem ao longa de Pasolini é “um símbolo da igreja misericordiosa do Papa Francisco”.

“L’Osservatore Romano” destaca a habilidade do diretor em deixar a mensagem da Bíblia fluir livremente pelo filme. O outrora “maldito” cineasta agora é mencionado como um realizador que demonstra a expressão da inspiração religiosa na tela. A cinemateca do Vaticano também anunciou que “O evangelho segundo São Mateus” foi arquivado em seu banco de dados digital.

A obra foi abençoada como uma “performance inspirada por um realismo sincero”.

Leia mais clicando aqui.

Ariano Suassuna (1927-2014)

•julho, 23 2014 • Deixe um comentário

O escritor Ariano Suassuna, autor de “Auto da Compadecida” e “A Pedra do Reino”, nasceu em Nossa Senhora das Neves, atual João Pessoa, em 16 de junho de 1927. Dramaturgo, romancista e poeta brasileiro, foi secretário de assessoria ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e faleceu em 23.07.2014 . Desde 1990, ocupava a cadeira 32 da Academia Brasileira de Letras, cujo patrono é Manuel José de Araújo Porto Alegre, o barão de Santo Ângelo.:

Com a Revolução de 1930, seu pai foi assassinado por motivos políticos no Rio de Janeiro e a família mudou-se para Taperoá, onde morou de 1933 a 1937. Nessa cidade, Ariano fez seus primeiros estudos e assistiu pela primeira vez a uma peça de mamulengos e a um desafio de viola, cujo caráter de “improvisação” seria uma das marcas registradas também da sua produção teatral.

Ariano Suassuna

Ariano Suassuna

A partir de 1942 passou a viver no Recife, onde terminou, em 1945, os estudos secundários no Ginásio Pernambucano, no Colégio Americano Batista e no Colégio Osvaldo Cruz. No ano seguinte iniciou a Faculdade de Direito, onde conheceu Hermilo Borba Filho. E, junto com ele, fundou o Teatro do Estudante de Pernambuco. Em 1947, escreveu sua primeira peça, Uma Mulher Vestida de Sol. Em 1948, sua peça Cantam as Harpas de Sião (ou O Desertor de Princesa) foi montada pelo Teatro do Estudante de Pernambuco. Os Homens de Barro foi montada no ano seguinte.

Em 1950, formou-se na Faculdade de Direito e recebeu o Prêmio Martins Pena pelo Auto de João da Cruz. Para curar-se de doença pulmonar, viu-se obrigado a mudar-se de novo para Taperoá. Lá escreveu e montou a peça Torturas de um Coração em 1951. Em 1952, volta a residir em Recife. Deste ano a 1956, dedicou-se à advocacia, sem abandonar, porém, a atividade teatral. São desta época O Castigo da Soberba (1953), O Rico Avarento (1954) e o Auto da Compadecida (1955), peça que o projetou em todo o país e que seria considerada, em 1962, por Sábato Magaldi “o texto mais popular do moderno teatro brasileiro”.

Em 1956, abandonou a advocacia para tornar-se professor de Estética na Universidade Federal de Pernambuco. No ano seguinte foi encenada a sua peça O Casamento Suspeitoso, em São Paulo, pela Cia. Sérgio Cardoso, e O Santo e a Porca; em 1958, foi encenada a sua peça O Homem da Vaca e o Poder da Fortuna; em 1959, A Pena e a Lei, premiada dez anos depois no Festival Latino-Americano de Teatro.

Em 1959, em companhia de Hermilo Borba Filho, fundou o Teatro Popular do Nordeste, que montou em seguida a Farsa da Boa Preguiça (1960) e A Caseira e a Catarina (1962). No início dos anos 60, interrompeu sua bem-sucedida carreira de dramaturgo para dedicar-se às aulas de Estética na UFPE. Ali, em 1976, defende a tese de livre-docência A Onça Castanha e a Ilha Brasil: Uma Reflexão sobre a Cultura Brasileira. Aposenta-se como professor em 1994.

Membro fundador do Conselho Federal de Cultura (1967); nomeado, pelo Reitor Murilo Guimarães, diretor do Departamento de Extensão Cultural da UFPE (1969). Ligado diretamente à cultura, iniciou em 1970, em Recife, o “Movimento Armorial”, interessado no desenvolvimento e no conhecimento das formas de expressão populares tradicionais. Convocou nomes expressivos da música para procurarem uma música erudita nordestina que viesse juntar-se ao movimento, lançado em Recife, em 18 de outubro de 1970, com o concerto “Três Séculos de Música Nordestina – do Barroco ao Armorial” e com uma exposição de gravura, pintura e escultura. Secretário de Cultura do Estado de Pernambuco, no Governo Miguel Arraes (1994-1998).

Entre 1958-79, dedicou-se também à prosa de ficção, publicando o Romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta (1971) e História d’O Rei Degolado nas Caatingas do Sertão / Ao Sol da Onça Caetana (1976), classificados por ele de “romance armorial-popular brasileiro”.

Fonte: Wikipedia.

Em 1955, “Auto da Compadecida” projetou Suassuna em todo o país, “o texto mais popular do moderno teatro brasileiro”, segundo o crítico teatral Sábato Magaldi em 1962. A obra já foi montada exaustivamente por grupos de todo o país, além de ter sido adaptada para a televisão e para o cinema. Suassuna foi o idealizador do Movimento Armorial, que tem como objetivo criar uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular do Nordeste Brasileiro. Tal movimento procura orientar para esse fim todas as formas de expressões artísticas: música, dança, literatura, artes plásticas, teatro, cinema, arquitetura, entre outras expressões.

Casablanca: Piano em lista de leilão

•julho, 23 2014 • Deixe um comentário

De acordo com o portal G1, o piano do Rick’s Café Américain, que aparece no clássico hollywoodiano “Casablanca”, de 1942, deve ser o destaque de uma venda de objetos de cena de filmes em Nova York em novembro de 2014:

A noticia foi informada pela casa de leilões Bonhams em 21.07.2014.

O piano de armário é um dos dois do filme no qual o ator e cantor Dooley Wilson canta “As time goes by”, canção-símbolo do casal de amantes representado por Humphrey Bogart e Ingrid Bergman.

O instrumento do café de Casablanca, de propriedade de Rick, personagem de Bogart, deve ser arrematado por um montante de sete dígitos quando for a leilão na venda de itens Turner Classic Movies em 24 de novembro.

O piano, que no filme aparece em cenas de flashback em Paris, obteve US$ 602.500 quando foi posto à venda em um leilão em 2012.

Leia mais clicando aqui.

Cinecittà World: Um parque inspirado em grandes filmes italianos

•julho, 23 2014 • Deixe um comentário

De acordo com o Globo Online, um parque que custou cerca de 250 milhões de euros (cerca de R$ 75 milhões) faz homenagem a grandes filmes italianos:

Nos quase 80 anos de história do estúdio de filmes Cinecittà, em Roma, passaram por lá alguns dos maiores diretores e atores do cinema, rendendo ao estúdio o apelido de Hollywood do Tibre. Agora em declínio, a empresa espera atrair visitas menos ilustres ao Cinecittà World, o novo parque temático dedicado à era de ouro do estúdio que abre nesta quinta-feira.

— Se a Itália quer um futuro, precisa receber turistas internacionais em Roma por diversos tipos de beleza, inclusive a de um parque temático de cinema. Estamos investindo em entretenimento como se fosse uma auto-estrada para o desenvolvimento do país — disse Luigi Abete, o presidente do Italian Entertainment Group (IEG), que administra o Cinecittà Studios e Cinecittà World.

As atrações são inspiradas nos milhares de filmes gravados nos estúdios romana, mas também em gêneros cinematográficos, como o western spaghetti (ou bang-bang à italiana) e aventura. Algumas canções da trilha sonora do parque foram compostas por ninguém menos que o vencedor do Oscar, Ennio Morricone, conhecido por clássicos da Cinecittà como “Era uma vez no Oeste” (1968), de Sergio Leone, e “Malena” (2000), de Giuseppe Tornatore.

Os visitantes entram pela boca de uma carranca assustadora do Templo de Moloch, do filme mudo “Cabiria” (1914), gravado em Turim, a primeira capital do cinema na Itália. Então, descobrem a recriação da Manhattan dos anos 1920, projetada por Dante Ferretti, designer responsável pelo parque, com três Oscar no currículo. Ferretti trabalhou com diretores como Pier Paolo Pasolini, Federico Fellini e Martin Scorcese no Cinecittá.

Leia mais clicando aqui.

Rio Gastronomia 2014: Concurso de Curtas

•julho, 22 2014 • Deixe um comentário

De acordo com o Globo Online, o Rio Gastronomia 2014 traz novidades para cinéfilos e amantes da boa mesa, um concurso que selecionará vídeos ligados à gastronomia para serem exibidos durante o Circuito, na 1ª Mostra de Ensaios e Sabores Audiovisuais (MESA), no Jockey:

Além da oportunidade de o público saborear o mundo culinário na telona, em pequenos filmes, a iniciativa vai premiar 11 trabalhos que abordem receitas, histórias, documentários, e informações sobre gastronomia e culinária, ou outras abordagens que transitem pelo tema.

Para participar, basta uma câmera na mão e uma ideia na ponta da língua. Os trabalhos podem ser inscritos gratuitamente em duas categorias: “curtas”, de até 30 minutos, com prêmios de R$ 2.000 para três selecionados; e “curtíssimas”, de até um minuto, com oito trabalhos premiados com R$ 1 mil cada. Os concorrentes serão avaliados por um júri especializado, que levará em consideração critérios como criatividade, originalidade, estética e adequação ao tema.

As exibições vão acontecer em um auditório dentro do Jockey, com entrada gratuita. Os interessados em participar do concurso devem enviar vídeos com 1280×720 ou 1920×1080 de resolução, extensão .mov ou .mp4 e até 25 MB, até 13 de agosto para o email riogastronomia2014@infoglobo.com.br. O resultado será divulgado em 26 de agosto no site do Rio Gastronomia, onde os participantes também podem acessar o regulamento.

Leia mais clicando aqui e baixe a ficha de inscrição.

Regulamento:
http://oglobo.globo.com/arquivos/Regulamento_RG2014_MESA.pdf

Rio, Eu Te Amo: Cristo liberado para a história de José Padilha

•julho, 22 2014 • Deixe um comentário

A Arquidiocese do Rio de Janeiro informou aos produtores do filme “Rio, Eu Te Amo” que não irá mais se opor ao uso da imagem da estátua do Cristo Redentor para a história “Inútil Paisagem”, de José Padilha:

Segundo o comunicado recebido pelos produtores, o Vicariato para a Comunicação Social e a Assessoria de Imprensa da Arquidiocese entenderam que o episódio não visou interesse religioso no trato à imagem do Cristo Redentor, portanto não houve desrespeito ao Cristo ou à religião católica.

Apesar do prazo muito apertado – o filme estreia no Brasil em 11 de setembro -, os produtores vão trabalhar intensamente e esperam poder incluir o episodio na versão para os cinemas brasileiros. Na história dirigida por José Padilha, o personagem interpretado por Wagner Moura é um homem em crise que, durante um voo de asa delta, usa a estátua do Cristo como interlocutor para extravasar seus pensamentos.

Filmado entre agosto de 2013 e janeiro deste ano, “Rio Eu Te Amo” é o filme brasileiro da franquia “Cites of Love”, que já retratou Paris e Nova York. Diretores renomados aceitaram o desafio de traduzir o amor em histórias emocionantes que se conectam ao longo de dois dias pela cidade. O trailer oficial do filme já está disponível no Youtube.

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 125 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: